estranho

"para que terra estranha vais,

tu, que de estranha terra vens

carregando deveras o teu ser.

trazes contigo a luz; levas, contigo, a luz.

Que caminho de abismos é este por onde vou
sem ao certo conhecer, o estranho
que o meu coração roubou.

se esperar amor, é sombria a treva

que encerrou a escuridão

por essa estrada que nos leva

a alma e o coração.

 

celia bastos
© Todos os direitos reservados