MATER

Mater

Cansada de vôos mais altos e ousados
A águia repousa no ninho quase vazio
Buscando em vagas memórias entes amados
Na calma de um sonho agora quase arredio

Chora pequeno pássaro, tens o direito da dor
A dor do tempo distante que dilacera n´alma
Sorria grande ser, viva seu máximo esplendor
Do amor de cinco rebentos, a paz que te acalma

E a espera ansiosa do sábado que só agrega
A certeza de momentos que flutuam ao sabor
Ao lado daquele que faz do lazer uma entrega
Parceiro de goles sedentos de espuma em vapor

E assim a vida prossegue na paz indolente
Outro domingo de tanta saudade impotente
Não deixa de lado todo orgulho imponente
Daquela que apesar da vida ainda é inocente

Marco Antônio Abreu Florentino

Poema dedicado `a minha mãe Helena... mulher de uma tenacidade sem igual; mãe amorosa e dedicada além do usual.

Marco Antônio Abreu Florentino
© Todos os direitos reservados