TEMPO DO TEMPO

TEMPO DO TEMPO
Tudo tem seu tempo - há um tempo para todas as coisas debaixo do céu (Eclesiastes 3-1).

Se houve um tempo para nascer, por que não sorri diante do mundo?
Se houve um tempo para chorar, por que tremi diante do medo?
Se houve um tempo para crescer, por que me apressei diante dos homens?
Se houve um tempo para brincar, por que me tolhi diante do sério?
Se houve um tempo para paixão, por que não me entreguei diante do gozo?
Se houve um tempo para amar, por que me calei diante da amada?
Se houve um tempo para gritar, por que emudeci diante das regras?
Se houve um tempo para trabalhar, por que não relaxei diante da pausa?
Se houve um tempo para agir, por que trabalhei diante do ócio?
Se houve um tempo para lutar, por que não beijei diante da paz?
Se houve um tempo para sonhar, por que não dormi diante da noite?
Se houve um tempo para sofrer, por que lamentei diante da dor?
Se houve um tempo para contemplar, por que não olhei diante da luz?
Se houve um tempo para escrever, por que arrefeci diante do hábito?
Se houve um tempo para mentir, por que relutei diante da verdade?
Se houve um tempo para acreditar, por que me zanguei diante da mentira?
Se houve um tempo para perdoar, por que julguei diante da culpa?
Se houve um tempo para pensar, por que não parei diante do tempo?
Se houve um tempo para ter, por que exaltei diante do ser?
Se houve um tempo para ser, por que persisti diante da ação?
Se houve um tempo para o ser, por que meditei diante do ente?
Se houve um tempo para orar, por que silenciei diante de Deus?
Se há um tempo para morrer, por que recuar diante da vida?

Marco Antônio Abreu Florentino

Marco Antônio Abreu Florentino
© Todos os direitos reservados