Pomba gira

Deu, sem troco, desde criança a sua candura,

Então suspeitei que não seguraria, já adolescente

Abri relação, desde que não ficasse dos outros ciente

E soube sempre da maneira mais sem-vergonha, seca e dura.

 

Da boca fria dos outros, suas tristes desventuras

Ou de você, quando já não podia evitar, doente

Sem empatia, insensível e indiferente

Sua outra face desanimadora, diante de minha doçura.

 

Ao me evitar, com desculpas, a sua maculada comissura,

Se me deixava com fome, eu relevava em nome da gente,

Mas na roda em que no meio circulava, longe de mim contente

Pôs se a gozar servindo todos à mesa, passatempo de ação insegura.

 

Geni de Chico, não é pelos outros, ou pela enfermidade minha agrura,

É não considerar eu amando você, tão resistente,

Sugar só pra si e não corresponder, sendo contraproducente

No que fiz e senti, com a mão no fogo, de maneira prevenida e com ternura.

Guilherme dos Anjos Nascimento
© Todos os direitos reservados