OLÁ, ADEUS

OLÁ, ADEUS

OLÁ
- Ao choro vital do recém nascido
- À euforia dos primeiros passos
- Ao exordial clamor já esquecido
- Às frustrações úteis dos fracassos
- Aos triunfos pessoais conquistados
- À profissão sonhada bem preparada
- Aos cobiçados trabalhos batalhados
- Ao conflito saudável que faz crescer
- À união feliz com a parceira amada
- À reflexão silenciosa do pleno saber
- À leal amizade que nos faz ser forte
- Ao respeito sereno da própria morte
- À longa e tortuosa estrada iluminada

ADEUS
- Às armas municiadas por vil tiranos
- Aos confrontos inúteis e sem causa
- À tudo que degrada os seres humanos
- Ao sofrimento atroz que não tem pausa
- Às falsas paredes de tijolos amarelos
- Ao comportamento fingido e egoísta
- Às intrigas escondidas sem paralelos
- Ao pérfido medíocre que detrata o artista
- À justiça parcial que bate o martelo
- Ao estúpido ditador que nega a ciência
- À toda forma de tortura e opressão
- Ao burguês parvo que vive de aparência
- À massa submissa que não tem reação

Marco Antônio Abreu Florentino

NOTA: A expressão da bipolaridade do mundo real.

https://youtu.be/rblYSKz_VnI
(Hello, Goodbye - The Beatles)

Marco Antônio Abreu Florentino
© Todos os direitos reservados