Volta

Volta

Já vinga no espasmo,
Sem precisar no desalento,
A sapiência de possuir,
Ao beijar o vento.

Não existe gracejo,
Sem ternura pura,
Que sirva o servo
Em qualquer credo.

A metade já sai dividida,
Buscando o que persiste
Nesse caminho de uma ida.

O inteiro não desiste,
Porque medita e emancipa
O caminho da volta.