POENTE

 

O sol poente

Desvanceu minha face

Limitou minha entrada

Enebereceu minha praia

 

A escuridão que eu via

Era tão cheia de luz

Que enxerguei tanta coisa

Minhas buscas , minha cruz!

 

O sol se pôs novamente

Nova face desabou

Novas histórias insistentes

 

Então tudo recomecou

toda dor novamente

Nenhum sonho restou

Nenhuma semente...

 

 

Fabiana Agueda
© Todos os direitos reservados