PAIXÂO REVIVIDA

PAIXÂO REVIVIDA

As paisagens que moram em mim
Os pincéis da saudade repintaram
E dos meus passos todas as pegadas
Em poucos segundos refizeram

O bom uso da palavra foi inútil
Rasgando o peito, desfiz os ninhos
Não achei dos labirintos, as saídas
Assumi as farpas desses espinhos

Confusa, minha poesia ficou torta.
Versos úmidos, impregnados desse sumo
A razão, num delírio, perdeu o rumo

Entendi que essa paixão não era morta
E revivendo os mais dementes desejos
Vi a boca esfomeada a pedir beijos

Glória Salles

-Registro na Biblioteca Nacional

-Ministério da Cultura


-E.D.A. —

No meu cantinho...

Gloria Salles
© Todos os direitos reservados