Site de Poesias

Menu

Janaina Cruz

Como saibros antigos, quase conhecemos as histórias do rio da vida, quase conhecemos o lado mais fundo, onde pesam as memórias grafadas por sentimentos que muitas vezes nos pegaram de surpresa, algo de mágico e quase impotente recai sobre nós, uma impotência inicialmente indiferente, que ganha força à medida que o orvalho faz cair novas camadas.
Saibros ou Matrioshkas, existem dentro de nós muitas camadas, coisa que expurgo ou semeio a medida que faço nascer a poesia.
Cada poesia é um pedaço de mim, quando sou eu mesma ou quando tento ser o outro, quando um sentimento sai, floresço um novo, assim sendo o meu rio, o rio que teimei em nascer, jamais será feito de saibros que sejam ocos... Assim espero...

Escrevo poesias desde quando nem imaginei que o que escrevia eram poesias, eram apenas coisas sussurradas por minha alma, coisas que guardava em cadernos que o tempo tratou de fazer desaparecer, ou coisas que entreguei ao fogo ou ao lixo...

Poesias de Janaina Cruz

Título Data Com. Vis.
A menina borboleta 28/05/2013 2 1124
A letra 28/05/2013 2 210
Eles esperam 28/05/2013 0 137
Eu e mim 26/05/2013 2 308
A língua 26/05/2013 5 202
A língua 26/05/2013 0 121
Timidez 22/05/2013 4 157
O velho jacarandá 17/05/2013 2 161
RELÓGIO DE BIC 09/12/2012 5 211
Eco 07/12/2012 3 253
O sobrevivente 02/12/2012 5 429