Site de Poesias


Carlos Alê

 


O meu verso é popular
e não tem rebuscamento
Procuro a simplicidade
nas rimas que eu invento
e qualquer leitor assim
pode ter entendimento

Se um tema é adequado
a meu talento restrito
fazendo verso por verso
nessa arte me exercito
É o leitor quem avalia
se ficou feio ou bonito

Sei que ele é diferente
de um feito de improviso
Vou fazendo um esboço
depois leio e analiso
o que falta eu acrescento
o que sobra eu reviso

Nunca tive o talento
de um repentista nato
O que faço no rascunho
ele faz de imediato
mas escrevo inspirado
no verso feito no ato

Se meu português agora
é arcaico por decreto
eu ainda estou no lucro
pois nasci analfabeto
e o que diz a poesia
é num outro dialeto

Portanto peço ao leitor
que não seja exigente
Quem está acostumado
com erudição somente
procure outros poetas
no padrão equivalente

Eu sei que pela elite
um poema é dissecado
Em qualquer academia
é medido e pesado
Mas o verso popular
basta ser apreciado

Essas minhas poesias
eu faço pro povo mesmo
Sofisticar a linguagem
é só trabalhar a esmo
Botando lenha no fogo
meu filé vira torresmo

Pois o verso refinado
nunca foi do meu feitio
Eu só faço o popular
aceitando o desafio
de dar nó nessa meada
para não perder o fio

Buscando a inspiração
o requinte eu afasto
pois meu estro não dispõe
de um repertório vasto
e a verve que eu tenho
é essa que dá pro gasto

Não quero dizer com isso
que não deixo escondido
nos drapeados do verso
um conteúdo cerzido
Um prazer da poesia
é decifrar o sentido

Mas sabendo o leitor
que na estrofe escrita
por uma comparação
a mensagem vai ser dita
ele entende o estilo
que a rima delimita

E nem posso discordar
nem disso faço questão
se algum leitor disser
que na sua opinião
os ditados populares
tem mais imaginação

Posso até já ter o dom
mas não nasci um poeta
Essa arte é pra mim
como andar de bicicleta
Tenho muito a pedalar
pra me tornar um atleta

Nas ruas da poesia
faço apenas um passeio
Pedalando cauteloso
vou botando pé no freio
Não estando interditada
eu atravesso no meio

Por achar que pra poeta
tenho alguma vocação
encontrando um assunto
que me dê inspiração
fico muito mais feliz
que arigó em feriadão

Se meu verso vai vingar
eu posso apenas supor
Sou suspeito pra dizer
se ele tem algum valor
Mas depois de publicado
quem decide é o leitor
 

 

Poesias de Carlos Alê

Título Data Com. Vis.
O príncipe e a camponesa - Parte Final 06/05/2014 0 --
O príncipe e a camponesa - Parte III 10/02/2014 0 11
O príncipe e a camponesa - Parte II 29/01/2014 0 --
O rei vaidoso e o sábio que não mentia parte II 11/12/2013 0 --
O rei vaidoso e o sábio que não mentia parte I 11/12/2013 0 --
O príncipe e a camponesa - Parte I 25/11/2013 0 13
A peleja do cachorro com o gato 15/05/2013 1 71
O quartel dos bichos 15/05/2013 1 393
Eu me sinto um exilado no país da nostalgia... 15/05/2013 0 19
A praia de Itapuã 15/05/2013 0 16
Não existe saudade mais cortante... 15/05/2013 0 13
Tire o seu sorriso do caminho... 15/05/2013 0 17
Um castelo de sonhos foi desfeito... 06/05/2013 3 80
Ter um amor em segredo... 06/05/2013 1 228
Os apertos do passageiro de ônibus na cidade grande 06/05/2013 0 44
Os animais urbanos 06/05/2013 1 577
O viajante do tempo 06/05/2013 0 41
Os invasores reptilianos 06/05/2013 0 43
Nesse time de craque do repente... 03/05/2013 1 390
O pulmão do planeta está doente... 03/05/2013 0 55