Site de Poesias

Menu

Enquanto Houver Bambu, Lá Vai Flecha!


Enquanto houver bambu, lá vai flecha
Poema por ocasião de frase dita por Rodrigo Janot
 
“Desta sua intenção ninguém pode duvidar / Talvez mais tarde venha a melhorar / Só sei dizer que escureceu / Mas não choveu, não choveu, não choveu” – Elizeth Cardoso
 
Se agora as araras já não voam
E às escuras se motivam mil pechas,
Me dá ânsia as palavras que ora ressoam...
Enquanto houver bambu, lá vai flecha!
 
Já não vejo à mata a alegre matraca
De aves coloridas com penas, mechas,
E se a ibirapema ao braço se atraca,
Enquanto houver bambu, lá vai flecha!
 
Preparo minhas armas: a borduna,
A zarabatana, e na mata à brecha
Procuro os vilões da nossa fortuna,
 
Os que sangraram o povo em lamechas,
Ah! Não escaparão pela laguna!
Enquanto houver bambu, lá vai flecha!

Compartilhar
Jayro Luna
06/07/2017