Ave sem canto


Ave sem canto


Lavas fumegando em meu coração
Jorram cinzas, ainda deste vulcão
Rasgando o peito que sangra ferido
D’acre saudade de haver-te perdido

A procela não dá alento à dor
Nem meu queixume reverte o amor
É como a ave, sem canto, perdida
Folha da árvore, pelo vento batida

No chão se arrasta já seca, sem vida
Nos espasmos da morte intenso *palor
No pranto fugaz de um sonho de amor

Porém, meus lábios, jamais beijarás
Qual luz que fenece, então, tu dirás:
Do amor que perdi, eu fui consentida !

                    *palidez

São Paulo, 10/09/2013            
Armando A. C. Garcia   
   
Visite meu blog: http://brisadapoesia.blogspot.com

ARMANDO A. C. GARCIA
© Todos os direitos reservados