Site de Poesias

Menu

Comentários da Poesia "Décima com mote"

de BRUNO

Gostaria de deixar seu comentário?

Comentários

ATENÇÃO: Os comentários aqui registrados não representam a opinião da equipe do Site de Poesias, nem mesmo recebem o seu aval. A responsabilidade pelo conteúdo dos comentários é inteiramente do autor dos mesmos. Ao poeta é reservado o direito de remover os comentários de seus poemas, quando achar por bem fazê-lo.


Décima Com Mote, DÉCIMA COM ARTE eu diria. Fiquei encantado pelo modo como as rimas se encaixam tão naturalmente que quase não as percebemos. É como se não estivessem ali apenas pela necessidade de seguir a norma do estilo. Parabéns Bruno, gostei demais.

Vou comer esse feijão
Na panela de Barro
Posta no fogão de lenha
E degustar
Essa resenha.

Você a cada dia melhor.

Trilhões de aplausos.

Caro amigo e nobre poeta lendo o seu texto senti saudades da cozinha de minha vó que também hoje só focaram as lembranças. Lindo texto..Parabéns.

J.A.Botacini.

Zezinho.

Ah, amigo, eu pude até sentir o cheiro do café...
Aquela frase " A felicidade se encontra nas coisas mais simples da terra... " nunca fez tanto sentido como agora, em que viajei pelos seus versos.
Abraços!

Querido Bruno
Esse seu poema é muito lindo...
senti saudade também da minha vó
do café do mato de tudo que vivi

me emocionou muito
meus parabéns

abraços amigo...
p...d..

Poesia com cheirinho de fazenda,
mato e o principal...café!!!

Abraços,
Hinah

Que lindo , Bruno. Imagens muito bem descritas, numa poesia carregada de emoção. Senti saudades de quando criança ia na Fazenda do meu avô ":

..."Acordava,
Com a “fala” da Dorcelina,
E sua risada gostosa.
“sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser
maravilhosa”...
atropelada descia as escadas:
na cozinha quentinha,
ficava sentadinha
bem juntinho do
fogão de lenha.
O "pião" José, na ordenha.
Dorcelina moendo o café
Entre tantos aromas e sons:
Sobre uma mesa:
o pão de queijo,
requeijão
Bolo de fubá
Doce de cajá,
maracujá"...
Obrigada pela poesia e pelas lembranças que saltaram da minha memória.
Graça e paz
Madalena

Que lindo , Bruno. Imagens muito bem descritas, numa poesia carregada de emoção. Senti saudades de quando criança ia na Fazenda do meu avô ":

..."Acordava,
Com a “fala” da Dorcelina,
E sua risada gostosa.
“sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser
maravilhosa”...
atropelada descia as escadas:
na cozinha quentinha,
ficava sentadinha
bem juntinho do
fogão de lenha.
O "pião" José, na ordenha.
Dorcelina moendo o café
Entre tantos aromas e sons:
Sobre uma mesa:
o pão de queijo,
requeijão
Bolo de fubá
Doce de cajá,
maracujá"...
Obrigada pela poesia e pelas lembranças que saltaram da minha memória.
Graça e paz
Madalena

Bruno, que emocionante!
Você esculpiu uma lembrança, disse-lhe: FALA! E ela falou! !!!
Me senti orgulhosa de você e gostaria de poder abraçá-lo de verdade!

Linda sua inspiração Poeta, tocou-me profundamente, fui além de saudades, passei minha infância e juventude na roça e deu até pra sentir o cheiro e o gostinho do lugar que sempre guardarei no coração. Amei
Beijos

Voltar à poesia