Site de Poesias

Menu

FILHO DA VERDADE

[Ilustração não carregada]

Folhas secas rolando ao vento,
E a poeira que do chão levanta.
De ser feliz é o intento,
Mas a perfídia acontece e suplanta.
Ódio faca de dois gumes,
Cria incerteza, desconfiança,
Das profundezas donde vem o ciúme
Também vem a desesperança.
Quando da desventura a dor pertinente
Dói na alma e não tem remédio,
Então o desamor nos leva à morte
Igualmente funesto é o tédio.
Se a alma é alegre bela é a vida,
A alegria é a primavera de nossos dias,
Faz a noite negra ficar colorida
E tira das notas lúgubres belas melodias.
Sou o cantador da esperança,
O arauto da felicidade,
Que quer despertar a criança
Adormecida na sua realidade.
Desperta ó criança que dormita,
Só o corpo envelhece a alma não tem idade.
Tu podes e deves ser muito feliz, acredita,
Tu não és um embuste e sim filho da verdade.
 
 
 
 
 
 

Compartilhar

De ti depende tua felicidade! A tua paz! O teu futuro como gente grande! Está em ti aceitar com alegria o que a vida te dá, porque, o que te for dado tem também o lado bom, mas não o veras se estiveres da sorte a se lamentar, Se em tudo puseres reclamo, meu irmão lamento por ti. Recebendo lições da vida.

Ubirajara Fernandes
26/08/2013