Site de Poesias

Menu

Epitáfio à Cidadania

[Ilustração não carregada]

Segurança para quê?

Bandidinhos e bandidões,

estes são ‘vítimas da sociedade’,

por isso têm licença para roubar,

para assassinar, para estuprar,

para fazer os outros em pedaços.

E, então, a defesa profissional,

todos têm direito à defesa,

mesmo que esta custe.

Dinheiro tingido de sangue,

esta é a ética dos pragmáticos.  

O cadáver de ontem  será o BMW,

a Mercedes de amanhã.  

Lei branda, justiça cega,

Surda ao clamor das ruas,

A população muda e assustada.

Segurança, trabalhador não tem.

Mas bandido tem sempre,

eles têm a garantia de vida

que os trouxas que trabalham não têm.

Prender para quê?  

Vai longo ser solto,

Se barbarizar...  Vai pegar uns anos,  

Mas sai, dão um jeito.

Tiro perdido, bala perdida...

O policial pai de família não vale nada,

este morre por nada.

Mas bandido morto tem comoção.

Pai da família morre, nada mais natural.

Mas, bandido... Chamem os direitos humanos!

Sociedade urbana.

Frigorífico a céu aberto.

Corre, corre, é a polícia!

Corre, corre, é o bandido!  

Balas, vida não vale vintém.

Pare na zona azul e não pague:

 é crime maior do que matar.

 Pague imposto; e não pague:

 é sonegador.

 Não pague nunca,

 e será perdoado...

 PSTPDTB, apenas muitos "p"s.

 Classe esperta a tungar a estúpida.

 Políticos? Estes têm segurança,

 quem não tem é o contribuinte trouxa:

 paga IPVA, paga pedágio, paga o mico.

 E ainda seguro, pois não tem segurança.

 Rebelião no presídio?

 Chame os direitos humanos!

 Tráfico, crime organizado?

 Chame os procuradores do céu  para convertê-los.

 Uma afogada numa banheira,

 E está tudo bem.

 Está pronto até para pregar,

 enfiar o último prego no crucificado.

 Os guias, não mais os homens de bem,

 mas os que se acham do bem,

 os convertidos de vida pregressa.

 Para que currículo de vida?

 Basta ir a uma delegacia

 e puxar a capivara,

 capivara santa,

 dos santos do pau-oco.

 Tudo para a bandidagem,

 E bem pouco para os homens de bem.

 E nós, cordeiros que somos,

continuaremos pastando.

Compartilhar

18/06/2013