Site de Poesias

Menu

No Infinito de Questões Sem Resposta

[Ilustração não carregada]

Pode o tempo passar
Pode o fim se aproximar
Eu não vou te esquecer
Eu não vou te deixar
Lembro daqueles momentos felizes que passei ao seu lado
Sem hora precisa eles me chamam pra reviver o passado
Cultivar a doce e amarga lembrança do seu abraço
E a noite eu choro...
Saudades talvez
Ou simplesmente estou me sentindo vazio
Sozinho...
Não sei onde me apoiar
Como se os dias se arrastassem sem sentido
O medo consome a esperança de amar
As ondas quebram os pensamentos
Do horizonte avisto o sol desaparecendo com os sonhos destruidos
As estrelas nascem imperceptíveis
Pois não habita mais a luz em seus pequenos olhos
A luz da vida
A pequena chama de luz que deslumbrava em meu caminho
E a noite eu choro...
Pensando no como
No porque
No infinito de questões sem resposta
Eu grito por dentro
Mas apenas os fantasmas que você enterrou no interiror do meu coração
Conseguem sentir a sincronia dos meus sentimentos com o que restou dele... 
Pedaços dilacerados
Que você espalhou pelo caminho sem volta
E sem olhar pra tras, partiu
Deixando minha vida completamente sem sentido
Desgovernado eu procuro uma maneira de voltar
Voltar a ser feliz
Mas por onde ando não vejo saida
Todas as alternativas se esgotam quando imagino que não há outro alguém
Alguém como você
Não imagino viver tudo de novo
Pra ver acabar
E eu me pergunto todos os dias
Acabou?
Me sinto distante do mundo
Distante de todos
Não sou eu mesmo
Me enfrento diante do espelho
Oculto a verdade dos meus olhos
Porque ainda te amo
Eu sinto muito...
Não estou sendo eu mesmo
Estou morrendo...
Não me importo com o que os outros pensam
Eu quero apenas definir o que ser feliz
Vivenciando o prazer de definir...


 

Compartilhar
Leandro Sales
07/06/2013