Site de Poesias

Menu

Cigano

A noite espreita a rua vazia, envolve com suas teias sorrateiras a lua,

envolta em sedas e rendas.

Lua calada! condenada a vagar sozinha seque seu caminho,

oscilando sua claridade entre nuvens frágeis como vidro.

Embaladas nas promessas que o mundo sopra no vento.

E o tempo, faz galhofa da ousadia dos ciganos e adivinhos,

que tentam ler na lua fria o livro proibido do destino.

Tentam de todas as maneiras mudar a sorte, e a cor dos seus caminhos.

Cristiane Coradi.

Compartilhar

Não vejo mais a revoada dos pássaros,
nem o brilho tênue das estrelas brotando no barrado da tarde que se vai...

cris coradi
05/04/2013

  • 3 comentários
  • 255 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados