Site de Poesias

Menu

FÊMEA


 
Não importa que seja aos poucos
Intermitente e impontual
Que me iluda e faça mal
Ou que seja amor de boto
 
Ainda que seja sempre igual
Amor cego e muito louco
Feito às pressas em catre roto
E com prazer irracional
 
Mesmo que seja mar morto
Sujeito a vendaval
Sem terra firme ou porto
 
Quero que seja sensual
E que eu sinta o teu gosto
Em cada ritual
 

Compartilhar

VISITEM:
www.sergionespoli.recantodasletras.com.br
GRATO!!!


18/02/2013