Site de Poesias

Menu

Maravilhas, Mas, Para Quem Ver?

[Ilustração não carregada]

A Lua e seu brilho, puro encanto!
O Sol em seu caminho, universo afora
E isto me fascina!
E eu aqui....
Vendo da Terra o brilho de algumas estrelas
Entre tantas e tantas outras estrelas que brilham pelo universo
 
Maravilhas!
Mas...
Para quem ver?
 
Pois, tudo o que eu posso ver 
Mirando meus olhos ao firmamento
É a Lua em conjunto com poucas estrelas
E o Sol a lançar seu brilho, pelo infinito
E, de vez em quando ouvir falar da passagem de um cometa
Que nunca é visto por quem deseja, apenas se ouvem os boatos....
 
Boatos de que passou!
Mas, planeta Terra, é o lugar onde estou
Alheio a tantas formas e infinitos brilhos neste infinito
Tantos sóis se pondo onde não posso os ver
E tantas constelações resplandecendo em Galáxias
Que nem se quer sonho existirem
 
Maravilhas espalhadas pelo Universo afora
Pérolas, a salvas da cobiça e da ganancia humana
Guardadas onde olhos não podem as ver
E mentes nem se quer imaginar
 
Maravilhas!
Mas...
Para quem ver?

 

Compartilhar

O universo e suas galáxias. Mapas que os mais sábios se perdem e não sabem mostrar onde estão. Somos donos de um conhecimento limitado, que não sabemos apreciar a beleza do brilho de uma estrela ou dos encantos de um Por do Sol ou ainda a magia do Nascer de Um Novo Dia. Ouro que nos é entregue a todo momento, mas que desprezamos o seu grandioso valor. Em 29 de Maio de 2012

Will Aflagal
12/02/2013