Site de Poesias

Menu

METAMORFOSE (2001)


Será real o que veem meus olhos?
Será o tesouro que protejo o mesmo de todos?
O que sobressai na existência
É a irrestrita incerteza.
 
No espelho, o reflexo meu
Desvelará quem sou?
Aquela ali não sou eu,
É ilusão, carapaça de pó.
 
A mudança seguida, sem intervalo,
É lei do Cosmo, inderrogável,
Também não amolece, uma neurose...
 
Meu tesouro não permanecerá intocado,
Pode até não deixar nesta trilha traço.
Seria ele raro depois da metamorfose?

Compartilhar
Lucilla Guedes
09/01/2013

  • 4 comentários
  • 199 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados