Site de Poesias

Menu

Terna madrugada.

[Ilustração não carregada]

A madrugada acorda aos poucos.

Pelos corredores do tempo, o dia rende a sentinela guardiã do silêncio da noite.

As fechaduras se abrem, rangendo quebrando as ferrugens do tempo.

Chega a manhã, e o sol se faz tão claro... o canto das cigarras invandem

as arquiteturas das palavras.

O cesto de flores escorrendo orvalhos

No lago peixes translúcidos com olhos brilhantes de vida

na manhã nua e colorida, ao longe uma canção antiga.

Incomoda o sossego do céu.

Cristiane Coradi.

Compartilhar

Manhã clara luminosa ouvia longe uma cantiga de uma doçura triste
que incomoda o sossego do céu.

cris coradi
20/12/2012

  • 5 comentários
  • 138 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados