Site de Poesias

Menu

Nua em pelo (soneto)

[Ilustração não carregada]

Assuntei um troteado matreiro
Riscando as pedras da rua.
Um pardo garboso e ligeiro,
Em pelo, uma donzela quase nua.
 
De ancas roliças cor de canela
Dois mamilos eretos para frente.
Nos cabelos uma flor amarela,
Uma gostosa cena indecente.
 
Gentilmente me fez cortejo,
Faliram-me os sentidos na hora.
Da vertigem sobrou o desejo.
 
A galope, destreza no manejo,
Na sua garupa pulei sem demora,
No ato de montar, tinha muito traquejo.
 

Compartilhar

Obrigado pelo carinho da visita ao sair deixe um comentário ou uma simples critica.

Quero agradecer todas as manifestações de carinho que recebi dos amigos, poetas e leitores pelo episódio da clonagem das minhas contas. Já troquei todas as minhas senhas, porem ainda não consegui restabelecer o meu e-mail. Respondi um questionário enviado pelo administrador (Conta da Microsoft) eles me pediram mais 48 hrs., para averiguarem se as respostas estão corretas. Vamos aguardar...

Jose Aparecido Botacini
26/10/2012

  • 7 comentários
  • 255 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados