Site de Poesias

Menu

POENTE LUA DE AGOSTO

 Descrevo-te sublime, ao contar as estrelas vagas lá, bem no escuro de todas as minhas intenções...

Se me perco com os números, entrego-me aos teus devaneios líricos em serenos distantes e inspiradores.

Entre cada maré estranha que me bate... escura de um azul de noite sem par;

Me atrevo caído aos teus pés, minha lua em fronha

Jogado aos degraus de areia, tão longe de minhas cobertas de jornais

Me desculpe a agitação eufórica mas de certo sei... Que eis de me deixar

Pois ao sul desponta entre os grunhidos do alvorecer a solidez da aurora 

Que insiste em nos render os sonhos mais impuros e tão próperos

Minha Lua poente de Agosto tranquilo... Me leve feito um tiro...Ao presente servo do destino ignorado pelos trilhos da madrugada que se finda...

Mais nada.

 

 

 

 

Compartilhar
Josa Medeiros
27/08/2012