Site de Poesias

Menu

Que Sentimento é Esse

Há certas pessoas que tenho vontade de balançar

Para ver se conserta algo que há dentro delas;

Ou eu mesma tenho vontade de ser balançada

Para ver se entendo coisas dos outros que não compreendo.

 

Como essa tendência que tenho observado no mundo

Das pessoas a cada dia que passa se isolarem cada vez mais

Uma das outras.

 

É um medo que o ser humano possui de se machucar;

Ele prefere mil vezes a dor da solidão

Do que a frustração de se relacionar.

 

Não entendo... não entendo...

Me é tão claro que essas frustrações que tenho

nada mais são que o simples fato de alguém não ser

Como eu desejo...

Com o tempo aprendi que a culpa não era das pessoas

mas da minha mente que estabelece padrões de perfeição.;

Mas não há quem nesse mundo seja perfeito.

Com o tempo aprendi a amar as pessoas como elas são

Sem cobranças de como elas deveriam ser.

Com o tempo descobri que não há melhor coisa do que descobrir alguém

Conhecer o que se passa no fundo de um ser;

Com o tempo descobri que cada gesto, cada pensamento

Possui uma razão, e quando a descobrimos

Não há para um relacionamento melhor sensação:

A de compreender.

 

Ai, como o mundo fica mais belo

E a minha vida mais emocionante

Quando compreendo o mundo e a vida de alguém.

 

Não tenho medo de entrar na vida das pessoas

De dizer o que sinto e penso

Não tenho medo de me frustrar

De conhecer

De me deparar com o que desconheço.

 

Algumas pessoas devem me julgar louca

Pela maneira aberta e espontânea que me relaciono com os outros.

 

Pois eu digo que loucura era como eu vivia antes...

Isolada no meu submundo.

Loucura era se afastar de alguém

Só porque esse alguém não era como eu queria que fosse.

Como se o meu afeto fosse algo que alguns merecessem e outros não.

Que tipo de sentimento é esse?

 

Eu compreendo que as pessoas possuem medo.

 

É o medo que nos impede de vivermos o melhor

Que Deus colocou em nossa existência:

Ter intimidade, mergulhar na alma de alguém.

 

Para a minha felicidade

Mesmo que ninguém em mim se jogue...

O que há em mim transborda

Se lança fora

E invade o interior dos outros.

 

 

Escrito em 14/08/2008

 

 

 

Compartilhar
Melina dos Anjos
24/08/2012

  • 0 comentários
  • 62 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados