Site de Poesias

Menu

O FLAGELO DAS MULHERES


O FLAGELO DAS MULHERES

Quando vejo um moça declaradamente gay dizendo que mostrou os seios na RIO+20 porque está ali defendendo a Causa Feminista não tem como eu achar estranho ou irônico.

Afinal as mulheres que já conseguiram a sua emancipação em todos os sentidos, pelo menos no mundo ocidental que é o que conta, pois nos outros países fora deste bloco, as mulheres se sentem muito bem obrigado, com exceção de um ou outro país e alguns dos pobres e ignorantes do mundo islâmico, pois nos ricos não há nenhuma reclamação por parte delas.

Isto leva a crer que o problema, como em qualquer lugar, islâmico ou não, não é a religião, mas sim da pobreza e da ignorância interligada.

Contra estes males é que todos deveriam estar voltados, pois tudo vem da superpopulação, principalmente os “desastres naturais”.
Se não houvesse pessoas morando em lugares impróprios não haveriam tragédias.

Não tem como viver ecologicamente certo com uma quantidade de gente dessa sucateando o planeta, assim como não tem como alimentar estas pessoas sem os trangênicos.

Orgânicos é muito romântico, mas retrito a uma minúscula parcela da população.

Dever-se-ia processar o igreja por este descalabro, assim como foram a tempos atrás as indústrias do fumo, pois ela tem uma boa participação nesta superpopulação.

A China já deste muito tempo, pelo menos mais de 50 anos, ou seja há mais de meio século tem o seu sistema de um filho só, que apesar da desumanidade em algum caso, nos deixa a pensar no que teria acontecido naquele país, e por conseguinte no planeta, se não houvesse este sistema de controle.

Na copa ganha pelo Brasil em 1970 a música dizia “noventa milhões em ação” e hoje somos mais que o dobro, então imagina lá.

O ocidental de tanto ter invadido e tentado colonizar povos estranhos desde Alexandre e outros gregos e romanos até os espanhóis, holandeses, portugueses etc. só sabem olhar pela sua ótica “vesga” e se consideram mais evoluídos que os outros e os salvadores de tudo.

Todos consideram a mulher árabe subjugada, mas qual mulher que para ser feliz com o seu homem não é subjugada? Subjugada pelo amor assim como o homem?

Conheci mulheres árabes que já tinham sido prometidas quando ainda criança e achavam isto a maior naturalidade, pois sabiam que os seu prometidos também estavam se mantendo castos para elas.

A ocidental mal resolvida vê problema em tudo e isto nada tem a ver com beleza.

O amor não subjuga nenhum dos cônjuges, mas os colocam em harmonia, mas onde não há amor não deveria ser mantido nenhum casamento; cabe processar a igreja novamente.

Relação onde o sexo é que predomina tem tempo de validade para o homem, não para a mulher, pois esta dá para o homem errado, no tempo errado, na hora errada e depois fica mandando a conta ou o seu fel. Qualquer um que teve alguma vivência acima da média, (para alguns é nescessário), sabem disso.

Tive um caso em que a mulher solteira queria um cara como eu, separado, morando sozinho em apart hotel, independente financeiramente e disponível para as suas fantasias, enquanto mantinha em casa a sua rotina de moça casta e era a administradora da empresa da família extremamente católica. Nas primeiras vezes fazia questão de me buscar no hotel para ter certeza mesmo de que eu não era casado.

Chegou já junto dizendo para o que tinha vindo e fomos levando, até que começou a querer que eu conhecesse a família, almoço de domingo, coisas que eu nunca me sujeitei quando jovem, (e a fobia de muita gente?), de canastra e de televisão nos domingos à tarde? Dois para mim sempre foi o número ideal.

Pronto lá estava ela “apaixonada” e quando eu dizia como é que começou e qual a finalidade que ela mesma estipulou se descabelava de arrependida.

Já queria “ser a mulher de alguém”, montar família e isto é da natureza da mulher, está no seu DNA, na ancestralidade, não adianta lutar contra isso, já o homem não e é daí que vem a infelicidade delas que esperam muito de qualquer relacionamento sem base e acabam viajando na maionese.

O homem quando tem alguma experiência não se deixa pegar pelo sexo a não ser quando ainda é adolescente, mas se ocorre quando já é adulto é melhor sair de perto, pois o risco de passionalidade é grande.

Tem certas vivências que o homem tem que ter tido em idade tenra, depois é melhor não se envolver, muito menos quando casado, pois põe toda a sua vida em risco.

Agora mulheres homosexuais se dizerem que são defensoras da causa da mulher é brabo.

No fundo parece mais uma gozação em cima das mulheres que parecem serem todas umas retardadas e despreparadas e que vivem precisando de todo tipo de ajuda, mas as de verdade mesmo só dão risada disso.

Desde quando mulher é uma minoria?

As mal resolvidas sim, estas podem ser minoria, mas pelo que vejo por ai elas, logo logo, podem deixar de ser minoria também.

Mas os homens também tem muitas coisas a resolver. Na verdade ambos estão cada vez mais se afastando, traumatizados de envolvimentos afetivos negativos e cada vez mantendo relacionamentos superficiais que só geram mais insatisfações.

Tem gente que nunca está satisfeito, uma necessidade insana de aparecer e ai ficam tirando os peitos por ai, principalmente quando tem algum silicone, (pois para que ter silicone se ninguém vê?).

Dever-se-ia dizer para as do movimento Ucraniano, que não lembro o nome, que tirar os peitos para fora já deixou de chocar os homens há muito tempo. Na Europa o homem nem olha mais e respeita.

Estas Ucranianas estão um pouco atrasadas e alguém deveria avisá-las. Para elas mostrar os peitos ainda é um ato de guerra. A mim parece que elas querem mostrar aquilo que não estão conseguindo mostrar na intimidade.

Nenhum homem quer este tipo de mulher mal humorada, mas não é estes que elas querem mesmo, como é o caso da brasileirinha no Rio + 20, mas que cada um fique na sua, senão começa a embaralhar os dados.

www.hserpa.prosaeverso.net

“A felicidade provém do íntimo, daquilo que o ser humano sente dentro de si mesmo” R. v. Sass – www.graal.org.br

 

Compartilhar
HSERPA
23/06/2012

  • 2 comentários
  • 132 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados