SAUDADE DANADA

 

Menino de 10 anos

rato de engenhos

lá em Barbalha(*)

corpo fechado

enlouquecendo os guias

charfudando quintais

cheio de dengos

cheio de sonhos

menino que soltava pipas

corria pelos canaviais

prendia passarinhos

caçava borboletas

de pés descalços

cabeça raspada

dedos chagados

menino urbano

livre suburbano

revolvedor de monturos

menino do largo da matriz

missas aos domingos

subtraindo hóstias

fugindo dos quadros-negros

e dos deveres escolares

menino rabugento, briguento

menino que dá uma

saudade danada.

 

(*)-Cidade ao sul do ceará,terra natal do poeta.

 

 

 

BENEDITO MORAIS DE CARVALHO(BENÊ)
© Todos os direitos reservados