Sol


                                                 Quantas vezes te amei sem ser amado?
                                       O bastante pr` provar a infelicidade
                                       Existente no seu desprezo, ó maldade!
                                       Mesmo amando-te ainda sou culpado
 
                                       Por não saber que agora sou passado
                                       Na sua vida que sem licença invade
                                       Meu destino perdido por sua saudade
                                       Por amar-te tanto fui encorajado
 
                                       A dizer-te: feixe de luz nunca acaba
                                       Pois o sol noturno brilha escondido
                                       Enquanto a lua majestosa se gaba
 
                                       Ao deixar na noite um sexto sentido
                                       Para sonho sem amor a lua desaba
                                       Mas para amor sem sonho: sol nascido. 


Marcusvinicius
© Todos os direitos reservados