Site de Poesias

Menu

Casa de Penhor

[Ilustração não carregada]

Passei o dia observando
Através da minha janela
O outro lado da rua
Onde havia uma casa velha
Com vitrines empoeiradas.

Era uma casa de penhor,
Todos passavam curiosos
Inclusive um senhor.
Este não se aguentou
E foi ansioso entrando,
Já era bem grisalho
De um andar estranho.

Com o semblante espantado
Saiu depois de um tempo
Algo ali foi penhorado...

Desci à rua para saber
Sobre a casa de penhor
O que eu poderia vender,
Se poderia trocar a minha dor
Por aquilo que o presado senhor
Trocou ali, muito entristecido.

Fiquei sabendo de uma rosa
Que o grisalho ali deixou
Por apenas uma prosa
Com o simpático vendedor.
Este senhor não havia dívidas
Que precisasse penhorar..
Só tinha uma promessa
Não cumprida, de amar. 

Compartilhar

Passei ontem ali pela barra funda, pinheiros, lapa, e vi numa rua perto do Palestra Itália uma casa de penhor que me chamou muita a atenção. Em sua faixada havia um letreiro escrito "Casa Velha", como o conto de Machado de Assis. Suas vitrines eram como eu descrevo na poesia, empoeiradas. Dentro havia uns móveis bélissimos de madeira, e um vendedor com jeito de simpático. Notei um senhor entrando na casa, e comecei a imaginar o que aquele senhor gostaria de penhorar. Deu nessa poesia. rs :)

Gabrielle Portella
19/12/2011