Site de Poesias

Menu

NAS GARRAS DA SOLIDÃO

Me desculpem a tolice

em pensar que vivo só

se a morte é a mesma

e a solidão um nó

existem pares de almas

que desenham a caminhada

enquanto choram seus rios de lágrimas

perdoem a tristeza de ser meio repetitivo

e a franqueza de nem ser reconhecido

a mulher que eu amei nem um dia foi embora

porém o doce de minha vida

Num formigueiro encontrei

foi em alto mar entre as estrelas

que a dor de ver meu pai 

desaparecendo chegou

e num sorriso de paz 

sua alma e sua vida me presenteou

desculpe a minha dor

ela nem pediu pra entrar

insistiu sem ser chamada 

e feito gole de cachaça marvada

de uma só vez se alojou

e encharcado de dor o meu coração 

num só grito reclamou:

Ainda vive o amor. 

Compartilhar
Josa Medeiros
15/11/2011