Site de Poesias

Menu

AS DISTÂNCIAS QUE NÃO SEPARAM

                                                             AS DISTÂNCIAS QUE NÃO SEPARAM
Por William Vicente Borges
 
O que são as distâncias?
Muralhas intransponíveis?
Abismos sem ponte?
Mares inavegáveis?
 
Talvez a distância que possa separar
Seja a distância das milhas e dos quilômetros.
A vida separou, levou para pólos diferentes
Mas que nunca exterminou o afeto
Que jamais acabou com o cheiro
E que se é o alimento da saudade
Também é o alimento que
Fortalece a felicidade do reencontro.
 
Talvez a distância que possa separar
Seja a distância do tempo
Que se esvaiu entre os dedos
Que amarelou as fotos
Mas que deixou marcas tão indeléveis
Que a alma sorve cada lembrança
Como beija-flores sugando o néctar
De uma flor colorida e brilhante.
 
Talvez a distância que possa separar
Seja a distância do adeus
Do amor que terminou no banquinho da vida
Das lágrimas do coração partido
Mas que nos deixou felizes por um pouco
E mais fortes por toda a vida.
E assim quando voltamos a amar
O fazemos ainda melhor .
É como um pássaro aprendendo a voar.
 
Talvez a distância que possa separar
Seja a distância do agora.
Deste agora que simplesmente não dá.
Do agora que nos nega os direitos
Que achamos que temos
Mas que na verdade só queremos.
E assim sofremos o que não precisamos
Diante de um anseio que é só ilusão.
 
Talvez a distância que possa separar
Seja a distância da morte.
Muitos a julgam o término.
Mas na verdade é só mais uma fronteira.
A morte é uma sombra que  quando
atropela o esperançoso, apenas o refresca.
 
O que são as distancias?
Muralhas intransponíveis?
Abismos sem ponte?
Mares inavegáveis?
 
A verdadeira distância
Que realmente separa
É o “esquecer”.
Mas ninguém se esquece
De quem o bem fez.
Então não há distância
Que me separe
De você.
 
.............................................
Inverno de 2011
 

Compartilhar
WILLIAM VICENTE BORGES
19/08/2011