TRANSLAÇÃO

 
                  TRANSLAÇÃO 


No rude tear da minha poesia, tecerei versos 
Continuarei a conjugar, ainda que imperfeitos 
E na translação, tirando o sossego das letras 
Ignorando métrica e rima, caminho anverso 
Dando ensejo ao eco que guia os meus feitos 
Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras 

Ignorando condimentos e ou, comedimentos 
Meus versos são razão, princípio, fim e meio 
A metáfora, na qual se interliga a palavra 
Levando no auge dos versos pensamentos 
Exteriorizando o estado de alma e o anseio 
Da luta incessante que com a emoção se trava 

Entre impulsos incontidos, abismo desconhecido 
Versos que escrevo, com palavras e alma nua 
Nos sonhos, nos sentidos que transbordam em meu ser 
Vou tecendo uma teia, de notas em sustenido 
Desejando veementemente que se conclua 
A poesia que a primeira letra o papel viu nascer. 

São Paulo 14/09/2006 
Armando A. C. Garcia 
E-mail: [email protected] 

Visite meu blog: http://brisadapoesia.blogspot.com

 


 

ARMANDO A. C. GARCIA
© Todos os direitos reservados