Site de Poesias

Menu

O QUE ME RESTA

  
O QUE ME RESTA
Por: William Vicente Borges
 
Viver é arte?
Viver é desastre?
Viver faz parte.
 
O que me resta?
Viver é claro.
Viver em abundância
 
E viver aqui
Não na lua
Ou em marte
 
Pois há gente
Que não vive
Passa
 
Tem gente
Que passa a vida
A diante
 
Vive um impasse
Quase desastre
Quase alguma coisa
 
Tem gente
Que deixa pra viver
Mais tarde
 
E quando o
Mais tarde
Não chega?
 
Para mim o
Agora sempre
É mais tarde
 
Não vou retardar
A vida
Isto é arte?
 
Então vivo a frente
De quem só
Vive mais tarde
 
Mas já perdi
Da vida
Muita parte
 
 Viver é arte?
Viver é desastre?
Viver faz parte.
 
E se a tristeza
Debulha-se
Em lágrimas
 
E se a alegria
Esparrama-se
Em risos
 
Então é vida
em cada parte
que arde
 
Pois há gente
Que chora
Por toda a vida
 
Mas não há
Quem ria
A vida inteira
 
O que me resta
É viver abundantemente
A vida que ainda me resta
 
Não vou retardar
A vida
Isto é arte!
 
........................................
Outono de 2011

Compartilhar
WILLIAM VICENTE BORGES
31/05/2011

  • 2 comentários
  • 168 visualizações neste mês
  • sob licença creative commons
    Você pode distribuir este poema, desde que:
    • Atribua créditos ao seu autor
    • Não use-o comercialmente
    • Distribua-o sob essa mesma licença