Site de Poesias

Menu

O CÁLICE DO JUDAS

 

 

 
A história deste dia sete de abril de 2011 tem noticia de fato penoso,
Que fez doer o corpo e chorar o coração do Brasil.
Meninos e Meninas...
Pessoas e vidas,
Ceifados foram desta terra,
Sem saber o por que,
Motivos ou deveras razão.
Estampidos de tiros romperam a trégua entre o bem e o mau,
desferidos da arma de Wellington Menezes,
sem cerimonia de misericórdia...
como num macabro ritual.
O ser humano que permite o mau em si,
da força a sua fraqueza.
Na história Cristã...
não foi diferente com o Homem de Nazaré.
O cálice da iracunda do Judas também transbordou,
E a vontade do seu livre arbítrio se fez traição,
Fazendo o puro Amor...
sangrar para a morte com perversão.
Com perversão...
 Wellington agora também é história de um dia infeliz..
O corpo de Wellington Menezes...
desprezado por motivos mil,
Jaz no sepulcro “já vai tarde” dos covardes,
E a sua alma,
 já é reclamada nas trevas do seol, gahena ou hades.
Pensar num castigo terreno por deveras cruel a Wellington,
Não chegaria perto da sua dor eterna nos porões do inferno,
Onde a luz é ausente de cor,
brilho e ton.
Quem deveras perdeu nos fatos acontecidos no sete de abril de 2011?
Foram as vidas ceifadas da rotina das famílias,
que dormem agora em Jesus Cristo,
Ou a alma em ardente fogo do inferno,
de Wellington Menezes em agonias mil?
Todos que cometem pecados,
Cometem para as suas almas sacrilégios de acusação contra si diante de Deus,
E a favor do Diabo!
Quem crê nisso?
A razão da ilusão?
A ciencia da razão ou os fieis da religião?
O mau que espreita a vida todo dia...
é covarde e perigoso,
Que torna com sua ação maldita,
dia feliz em presente tenebroso.
Que o digam as vitimas da escola realengo no Rio de Janeiro.


 
Palavra do Homem e Poeta... Onilson P B em 11/04/2011... segunda feira


 

Compartilhar
onpeba
19/04/2011

  • 0 comentários
  • 77 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados