Site de Poesias

Menu

Vaidade

Desde de pequena gostava de me arrumar, vestia a melhor roupa para ver os meninos passar.

Minha mãe sempre dizia: deixa isso pra lá, menina pare com isso, só pensa em se arrumar.

Fita no cabelo, perfume no corpo enteiro, vestido esbraquiado, lábios rosiado. Para que fique bem claro que marido que for meu tem que ser como eu andar bem arrumado

 

Agora sou casada não ando bem arrumada nem mesmo penteada.O marido que casei não  é com quem sonhei.

 

Mas que vida desgraçada, não ando bem arrumada, nem tão pouco perfumada, foi o preço que paguei, com marido que casei só amando de verdade.

 

Pois no fundo da vaidade digo com realidade que o homem que casei é minha felicidade. 

 

Compartilhar
joicy
18/04/2011