Site de Poesias

Menu

Eu sou a Dor

 
Às vezes me sinto como agora sem animo nem perspectiva de melhora
Como se eu fosse um poço fundo e a agua de seu interior foi substituída por dor
O limo entre as pedras são minhas veias entupidas pela nicotina e outras porcarias
Pedras essas que o tempo já a desgastou, estão cansadas, gastas e só existem pois alguém, as colocou
No alto um pequeno pedaço de mim é bem visto, quem o vê refletir a luz do sol o acha até bonito... E sem duvida eficiente
(Aqueles que por suas limitações não enxergam nem um decimo de todo o resto)
Tento sem êxito substituir a dor por qualquer outro sentimento, tento então elimina-la, sem êxito de novo.
Como agua a dor mina de todos os cantos, não consigo descobrir sua origem desisto, portanto.
E vai se acumulando até que sobe o nível, sobe, sobe até que subir torna-se impossível
Esse ponto é o topo aonde acaba a propriedade do poço
A dor começa a transbordar, alagando tudo que em volta há.
Sem piedade negra nuvem vem em meu sentido, como se pensasse: vou destruir o que já está destruído.
E cai a agua... E sobe a agua... Eu sou só agua.

Compartilhar
Ogro
29/03/2011

  • 1 comentário
  • 46 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados