Site de Poesias

Menu

Cesurado

Fui censurado sem saber e não por querer
Se um dia chuvoso tornar água em pedra não quebrará
Cupido, sem arco e flecha ficar, amor não será, censurado vou ficar.
Censurado...
Censurado...
Censurado...
Cabeça de alho sem dente, contente, censurado amarrado.
Rio que corre ao contrário, coração amedrontado censurado.
Bala que se atira para dentro, sem hora pra vir a escola em pleno “sol a meia-noite”.
Enrolado censurado.
Censurado...
Censurado...
Censurado...
Manga madura caída no chão, catando tremor que cai do trovão tão enganado coitado censurado.
Sangue azul da caneta sem tinta, tijolo pobre, rico não é o cimento, pedaço, traçado censurado.
Censurado...
Censurado...
Censurado...
Censurado por todos, não é cair no conforto.
Se porta não tiver olhos, parede não tem ouvidos.
Se na mata não me esconder, censurado de uma vez vou merecer.
Rodeado por tomates prontos para amadurecer e me esmagarem e tudo escurecer, prefiro morrer! Censurado nunca mais ser.
Censurado...
Censurado...
Censurado...

Compartilhar
Jucyelison
09/02/2011