Para quando...

Para quando...

Para quando...

Quando lembrares de mim

Imagine-se em viagem  

Pelos campos de esmeraldas

Pise de leve em meu etéreo jardim

Meus girassóis podem  ofuscar

Mesmo que corras...

A chuva te alcança e molha tua face

Então teu corpo e espírito em uníssono,

vibram mais uma vez  

um arco-íris ressurge recriando mandalas universais 

Abre-se o portal de luz

Nascendo um imenso sol em teus céus

Quando aqui chegares...

Saibas que eu sou a temperança

Leia-me com carinho

Podes te servir do meu néctar

Enchas teu cálice com ternura

E te  ilumines com  meu leve calor

Que transmuta as paixões...

E se por acaso quando voltares

Perderes o sono, em pensamentos

Feches os olhos para relaxar

Respires bem devagar

Cubra-te então com os meus lençóis

panos  lilases de algodão bordados com meus versos

Deixe que letras de amor

Te envolvam ...  

absorva... a minha seara de paz

Então adormeça sem receios

E tenha a certeza de que ... eu sempre estarei contigo        

 

 

   imagem - google

Bruma Lilás - Taís
© Todos os direitos reservados