Vitória

Vitória

Acostumei-me a todos prantos,
Longos espinhos, dias de paz,
Proporções cristalinas agro-doces,
Nos quais meu amor renasce da desventura.
A Inveja morre sempre na ternura,
Pois a paixão não a vence com olhos cerrados,
Nem o mais sutil veneno e cólera,
Esgota o poder do justo canto.
Transgredir todos os desafios,
Nuvens carregadas,
É vivenciar Quixote, Cyrano de Belgerrac,
Pois magia e encanto, todo movimento
Está nos sonhos do guerreiro.
Toda luta traz aromas,
Do mais simples, como a vitória,
Na fortaleza de recomeçar a vida,
Quando teu coração e alma me abrigam,
Corpo, chão e castelo
Untando todas as minhas feridas.

Crux Sacra Sit Mihi Lux
Non Draco Sit Mihi Dux
Vade Retro Satana Nunquam Suade Mihi Vana
Sunt Mala Quae Libas Ipse Venena Bibas

(Oração da medalha de S.Bento)

Tradução do latim:

" A Cruz Sagrada seja minha Luz"
" Não seja o dragão meu guia"
" Retira-te , satanás,nunca me aconselhes coisas vãs"
" É mau o que ofereces, bebe tu mesmo os teus venenos"