Site de Poesias

Menu

Casa escura

Minha dor era no dente e
agora foi pra cabeça. Tentei fugir de casa,

de todo o hoje, e não é
com uma casa, que

acabo sonhando?

Casa escura, de
gente velha e boa de vista;

Casa (sem) corrimão,
de gente velha e boa dos ossos;

Casa escura, com menina escura
que com frescura
do escuro tem medo: Que faço eu
com esse negócio de fantasma aí,
que tu disse? (eu disse,
fantasma não existe. Se você olhar um objeto e

nele faltar um
pedaço,

teu cérebro o completa com outro
pedaço; é assim que tu
distorce o objeto,

enxergando nele o que não existe)

Alma escura, velho sabido
com vida toda em

pedaços

Isso que um sonho me ditou
é a mais pura

realidade.

E eis que vem a dor, um

feliz ano novo,
pílulas em pedaço,
outras por inteiro: essas, pro meu sono

voltar

Aí! que dor no dente. Por sorte, ou

por ordem do velho da montanha,

de velho pra velho (risos),

não me veio
mais outra dor

A cabeça está passando! e à cama
retornando,

pra que tudo acabe como bem iniciou

Compartilhar
fferry
31/12/2010