Site de Poesias

Menu

Não, não posso

Não posso falar nada
Não posso chamar atenção
Não posso dizer a verdade
Nem abrir meu coração
 
 
Tudo me cala, tudo me sufoca
As leis que regem a dita sociedade
É vil de ignorância
Cada tribo dita suas regras
E se contestarmos
O título de louco paira sobre nossos ombros cansados
 
Não posso fazer nada
Não posso chamar atenção
Não posso apontar o erro
Nem abrir meu coração
 
O sistema é sempre falho
Mas com máscara de perfeição
Se um parafuso sair dos eixos
Decreta-se logo: massacrarão
O horizonte é tingido de um vermelho sagaz
Intangível cor, irreversível situação
 
Não posso apontar o bandido
Não posso esconder a verdade
Não posso proteger o ferido
Nem ditar minha própria vaidade
 
Viro a cara e finjo não ver
Se uma atitude eu tomar
Dizem pra eu não me meter
Se eu der a mão ao caído
Ao caído me junto ao chão
O sistema me coloca
Contra meu próprio coração

Compartilhar
Jhonatan thiago
02/12/2010

  • 1 comentário
  • 84 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados