AGORA

Ah! como eu te queria agora

semrelógio e sem história

sem medo de ir embora

e esse jeito encabulado de tanta carícia e beijo,

nem de loge contrafeito,

nem um pouco enfastiado.

Como eu te queria agora

sem a voz que vem d entro,

que morde o meu pensamento

e te lança todo fora!

 

Elisabeth Camargo Martello
© Todos os direitos reservados