Sem sentido

Não tem sentido

caminhar sem ter estrada

sonhar, sem poder dormir,

lutar sem briga ou espada

mas porque é preciso, sorrir...

Ensinar o que não tive

esperar o que não dei

subir em pleno declive

amar a quem já odiei...

Abrir meus braços cansados

e então me crucificar,

dar esmolas em trocados

porque é bonito dar...

Dividir-me em camadas

pertencer a esse contexto

e palavras sufocadas

jogar com lixo num cesto.

Elisabeth Camargo Martello
© Todos os direitos reservados