Site de Poesias

Menu

ROSAS AMARELAS

 
ROSAS AMARELAS
Por: William Vicente Borges
 
As rosas amarelas que eu te dei
E que você guardou no livro
São testemunhas do quanto te amei
Eu te amo, digo.
 
Sei que o tempo passou
E tudo mudou demais
Estamos em outros braços
Recebendo, e dando.
Outros abraços
 
E ainda bem que não notam
Nossos sorrisos. também, amarelos
Nossa suposta felicidade, desbotada
E a cruel convivência das lembranças
Que não podem ser anotadas
 
As rosas amarelas que eu te dei
E que você guardou no livro
São testemunhas do quanto te amei
Eu te amo, digo.
 
Então segue a conclusão
De que mesmo não nos vendo
Nunca mais.
Morrerei eu com a certeza
Que amor igual a este
Não terei, jamais.
 
......................................
Primavera de 2010
 

Compartilhar
WILLIAM VICENTE BORGES
02/10/2010

  • 0 comentários
  • 172 visualizações neste mês
  • sob licença creative commons
    Você pode distribuir este poema, desde que:
    • Atribua créditos ao seu autor
    • Não use-o comercialmente
    • Distribua-o sob essa mesma licença