Regresso.

 

No abismo de minha alma,
Mergulhado em pensamentos,
Olhei meu reflexo na água,
Soltei meu grito ao vento,
Meus pensamentos voaram,
Juntos a minha angustia,
Levados pela brisa gelada,
Daquela manhã de setembro,
Que guardo como um punhal,
Cravado em meu coração,
Relembro quando eu a vi na distancia,
Daquela tristonha estrada,
Partindo sem me dizer nada,
Vendo sua imagem desaparecendo...
Se apagando como numa aquarela,
Que desbota com o passar do tempo,
Hoje enxugo as lágrimas,
Em minha camisa surrada,
A mesma camisa que um dia,
Fiz uma cama na grama,
A beira da mesma estrada,
Onde nos amamos e trocamos,
Juras de amor e promessas,
Um amor que pensei ser sincero,
Hoje esse amor é o inferno,
Que queima com a cachaça,
Que me mata de copo em copo,
Mas mesmo assim desgraçado,
O teu regresso eu aguardo

Cesar Garcez
© Todos os direitos reservados