Dias Quentes

 
Azulado é o dia que no verão desponta,
Lá no horizonte surgindo lentamente,
Vem clareando os telhados cor de barro,
Entrando sem pedir licença,
Pelas portas, pelas janelas, por todo lado,
Invade as casas anunciando o amanhecer,
Sentado em minha varanda, vejo a rua, a calçada,
O calor do dia se eleva vagarosamente,
Posso sentir o sabor do suor em minha boca,
Lá pelas duas da tarde, o dia abafado me sufoca,
Bebo um copo de limonada bem gelada, e me perco em pensamentos,
Dias quentes corações ardentes, prometem noites de muito amor,
Chega o por do sol, colorindo com matizes, de laranja a vermelho intenso,
Penso nela, posso sentir as batidas de seu coração impaciente,
A noite cai, estrelas fazem o céu parecer um sonho,
A lua nova, lembra um diadema de prata, perfeito para enfeitar seus cabelos,
O amor que sinto me faz navegar pelo seu corpo, beijo sua boca incansavelmente, Falo segredos em seus ouvidos, embriago-me com seu perfume,
A noite passa quase sem ser notada, sente inveja de tua beleza,
Vem à madrugada, em meus sonhos, revivo a noite passada,
E no fim da madrugada a vejo acordar,
Com um sorriso de menina, me convidando para amar.

Cesar Garcez
© Todos os direitos reservados