Site de Poesias

Menu

LÁGRIMA

 
            LÁGRIMA
 
 
Rola sorrateiramente pela face sofrida,
Sem pedir licença, toda atrevida.
Transforma em gota e lança-se ao chão,
É sorvida pelo pó ávido,
Que sacia sua sede.
Lembranças de uma despedida,
De uma alma querida que parte
Sem dizer adeus.
Não haverá regresso,
Apenas saudade continua torturar.
Cultivando a esperança,
Só resta esperar.
Que um dia no além,
Possa encontrar este alguém.
Que continua a amar.
 

Compartilhar
VALDIR A. SILVA
26/07/2010