Agreste

Minha poesia são pedras
Que, distraído, recolho ao chão
A esmo, em plena cidade
Com seus ângulos agudos, grão

Sempre ásperas e agrestes
Em sua parca simplicidade
Decaídas obras celestes
De escura fuligem, carvão

Panorama cinza, tristonho
Como os dias solitários são
Para muito além do sonho
Da inescrutável verdade
E do meu pobre desejo vão

 

Uriel da Mata
© Todos os direitos reservados