Site de Poesias

Menu

UM ATO

[Ilustração não carregada]

UM ATO
 
Uma casa de campo e um delírio.
Lareiras acesas! Desejo descoberto.
Afinidades de emoções sem razões.
 
Corpos quentes e inebriados pelo amor.
Tremores nos olhares! Sorrisos e arrepios.
Tilintar das taças! O vinho em questão.
 
Abraços apertados e beijos ardentes.
Violação dos lábios! Frenesi e o ócio.
Magia – uma explosão de sexo.
 
Invasão de volúpias em núpcias.
Intensidades eróticas e casuais.
Beijos insanos e profanos.
 
Desejos descobertos e em pauta.
Corpos nus, corpos trêmulos, corpos.
Sensações carismáticas sensuais.
 
Bebida mágica, absinto surreal.
Calores misturados em movimentos
O delírio sexual! Suspiros desiguais.
 
Êxtase no encontro das partes indefinidas
Defino um ato! Um ato em Si e em Lá.
Dedilhando meu corpo em ebulição.
 
Perdão! Há uma colisão fatal e natural.
Sensações únicas e desconexas anexa.
Anexo ao teu corpo em desordem.
 
 Esse ato exato que me faz gozar em ti.
Exatidão nessas horas é um fato inexato.
Mas eu relato essa sensação de paz sexual.
 
Soraia

Compartilhar

Desejos e nada mais.

http://www.nossosite.biz/...).mid sedução

Cigana
25/04/2010