Site de Poesias

Menu

Carne de Primeira

[Ilustração não carregada]

 
 
O açougue anunciava: “Carne de primeira a tanto”.
Carne de primeira? O que é carne de primeira?
Filé, Maminha, Contra-Filé, Alcatra, Picanha...?
Quem se encaixa no ilustre título: “de primeira”??
De primeira é tudo de bom, 
mas tudo de bom é subjetivo, 
pode-se achar ou não...
Mas a Casa de Carnes Fulano, era firma respeitada.
O pai e fundador de confiança das madames.
Em que pese estar sempre enfiando a faca na carne,
filezinho daqui, tira uma gordurinha ali,
escolhe um pedacinho ‘bom toda vida..."
E a freguesia“tava no papo”. 
Bons tempos, tempos passados que não voltam mais.
Da faca e do amolador para geladeira, moedor....
Tecnologia aqui e ali e finalmente:
o martelo de carne automático,.
Aquele ‘troço’ que amacia o bife, para quem gosta,
e que mastiga o bife, para quem não gosta.
Sucessão de gerações, pai açougueiro, filho açougueiro...
E na herança vieram os fregueses da ‘Fulano’,
Que ‘Fulano’ era e que ‘Fulano’ continuou a ser. 
Mas tal o pai, o filho não era. Coisa da tecnologia...
E a carne de primeira foi tomando outro contexto...
Contra filé: carne de segunda uma vez na máquina,
Alcatra: duas vezes na máquina,
Filé: três vezes na máquina....
Moída de primeira: ... tenho medo de pensar...
Pesos e medidas, problemas com a lei da gravidade.
Isaac Newton para quê? Por que maçãs sobre a cabeça?
Lá estava eu, no bairro onde moro, 
e o açougue ali na esquina, e a lei da gravidade...
Grave, grave mesmo, primeiro um 171, 
Enganado por um ‘traidor infiel’.
E se não bastasse o filé de ‘sola de sapato’,
ainda tinha que vir menos...
Quando confia, a gente acredita, e dá-lhe punhal nas costas...
Até já havia pensado: não se fazem mais bois como antigamente...
Mas o problema não estava no boi, mas no açougueiro.
Fazer o quê? A prova do crime havia sido comida.
De alguma forma eu e minha família éramos cúmplices,
vítimas de nossa boa fé e dentes, 
mas cúmplices com o aparelho digestivo.
Carne de primeira? Nunca mais, o que dirá segunda...
E enquanto não me converter a vegetariano,
o negócio é achar um ser humano de confiança...
Estou pensando em Papai Noel ou no Rambo...
O Hulk ,talvez, o Marquês de Sabugosa,

quem sabe o Rin-tin-tin...
 

Compartilhar

29/03/2010