Site de Poesias

Menu

O AMOR QUE EU TANTO QUIS

                                                           Celso Alberto – Escritor.
                                                           Reg. U.B.E. 2058  08/03/2010
 
 
FOI PRECISO MUITO TEMPO PERDIDO
DE CAMINHOS, ESTRADAS E DISTANCIA
PRA QUE EU PUDESSE PERCEBER QUE DEVERIA
RETORNAR AO TEMPO DE INFÂNCIA.
 
 
TANTAS CIDADES, TANTAS BUSCAS E PROCURAS
CABEÇA BAIXA, OLHOS TRISTES, LÁGRIMAS FRIAS
E A SAUDADE DE ALGO PERDIDO NO TEMPO
TORNAVAM AINDA MAIS TRISTES OS MEUS DIAS.
 
 
TANTAS ESTRADAS PERCORRIDAS, TUDO EM VÃO
RIOS E MONTANHAS, AREIA, PRAIAS, TUDO ILUSÃO,
POIS NEM MESMO AS PAISAGENS DA JANELA
DAVAM ALENTO AO MEU POBRE CORAÇÃO.
 
 
FELIZMENTE EU DESCOBRI, AINDA EM TEMPO
QUE NÃO SE PODE FUGIR DO NOSSO PASSADO,
OU BUSCAR EM LUGARES DESCONHECIDOS
AQUILO QUE ESTÁ DENTRO DE NÓS, OU DO NOSSO LADO.
 
 
DEPOIS DE TANTAS BUSCAS POR UM GRANDE AMOR
DE ME PERDER E VER MEUS SONHOS IREM AO CHÃO,
A BRISA VEIO E SUSSURROU NOS MEUS OUVIDOS
QUE VOLTAR, SERIA A MINHA ÚNICA SOLUÇÃO.
 
 
E EIS QUE RETORNEI ÀS MINHAS ORIGENS
PRA TE ENCONTRAR AÍ QUIETINHA NO SEU CANTO,
E DESPERTOU EM MIM ANTIGOS SENTIMENTOS
REVELANDO TODA A SUA MAGIA E ENCANTO.
 
 
EU ME APAIXONEI
E AGORA NÃO QUERO MAIS FUGIR
VOCE PODE E DEVE ME FAZER FELIZ
POIS VOCE É O AMOR QUE EU TANTO QUIS.

Compartilhar
Celso A Alberto
09/03/2010

  • 0 comentários
  • 125 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados